Memória

  • Hoje acordei como uma sórdida lembrança, como uma fotografia da infância.
  • Que ventos de memória, aguçar minha história, talvez intencional, ri ou falar mau, do meu hoje, como me encontro enfim, entre soluços e desencantos, a luz do prazer, desvaneceu…
  • Aonde fostes tu?
  • Doce magia, manhãs sem ti, cadê as pegadas matinais que fizestes pensando em mim? Foram todas elas ilusão e mentiras, nunca molhastes os pés, nem mesmo acordaste com tal intenção. Mentiroso da ilusão, fino traiçoeiro, destino….

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s