POEMAS


Tempo
Elizaete Ribeiro

  • Procurei tempo para ser feliz
    Procurei tempo para dar sentido a vida
    Procurei tempo para desabafar
    Procurei tempo para lembrar dos amigos
    Procurei tempo para perder sem perigo
    Procurei tempo, tempo de amar
    Procurei tempo, tempo de me afastar
    Esperei por momentos, e eles não aconteceram
    Sonhei sem tormento mas a alegria não veio
    Sobraram apenas pegadas, marcas passadas
    Espaços vazios entre frestas de abraços
    Procurei tempo, e no tempo fiquei.

Autor: Elizaete Ribeiro

  • Ilusão
  • Eu amei você na tênue luz do dia
  • Entre mil soluços esbravejei teu nome
  • a dor me consome
  • Foram os beijos e abraços um pequeno disfarce
  • Que na ilusão criei?
  • Procurei uma forma de não sonhar
  • e de riscar você dos meus sonhos
  • parte de mim lançado fora
  • Se a vida fosse embora
  • Procurei me entre milhões
  • e não me achei
  • parto de dor por causa da ilusão
  • até um dia me encontrar
  • ressurgir das cinzas
  • pedaços de mim
  • o que de belo tem a beleza?
  • Atraí sempre a tristeza
  • e seguem juntas enfim

Autor: Elizaete Ribeiro

  • Retalhos de mim
  • Um dia eu me encontro
  • Um dia eu me acho
  • Sigo nesse regaço
  • Em meio a pedaços
  • Retalhos de mim
  • Estardalhaços
  • Pensamentos arredios
  • Destemido cetim
  • Fuga do eu
  • Procurando por mim
  • As palavras como são navalhas
  • Sem piedade assim
  • Língua traiçoeira
  • Fere
  • Ferida
  • Marcando espaços
  • Na alma amada
  • Retalhada por ti
  • Confesso que estou no mesmo barco
  • Nesse mar sem fim
  • Os passos
  • O novo do novo
  • Assusta assim
  • Há quem diga que é fácil
  • Seguir assim
  • Só tenho uma ordem
  • Amar
  • E sigo enfim
  • Apenas ame
  • Sem pensar no fim!

Autor: Elizaete Ribeiro

Ilusão

Elizaete Ribeiro

Eu amei você na tênue luz do dia

Entre mil soluços esbravejei teu nome

a dor me consome

Foram os beijos e abraços um pequeno disfarce

Que na ilusão criei?

Procurei uma forma de não sonhar

e de riscar você dos meus sonhos

parte de mim lançado fora

Se a vida fosse embora

Procurei me entre milhões

e não me achei

parto de dor por causa da ilusão

até um dia me encontrar

ressurgir das cinzas

pedaços de mim

o que de belo tem a beleza?

Atraí sempre a tristeza

e seguem juntas enfim

Sobre Elizaete

Elizaete Ribeiro. Poetisa e Contista. Nasceu na cidade de Açailândia - Maranhão, em 14 de abril de 1979. Residente em São Paulo, Capital desde 2002. Acadêmica do Curso de Letras e Estudante de Piano Erudito com introdução ao popular. É uma das autoras do livro "Meninas Super Poéticas". Publicou nas Antologias de Poemas: Ecos da Alma e O Segredo da Crisálida (Editora Andross); na 5ª Antologia de Poemas Lembranças ao Vento e I Seletiva - Amor à Poesia, Elemento Terra, Cenas Cotidianas, Palavras que falam e palavras que calam, À Deriva, Dois Corações e uma só batida, pela Editora Beco dos Poetas & Escritores); organizadora da antologia de Contos e Crônicas "Do Princípio ao Fim". Publicações Internacionais: Antologia WAF 2011 (Editora Corpos, Porto - Portugal) e A Sombra do Coração (livro solo), também pela Editora Corpos, Porto - Portugal. Contato com a autora: elizaeterib@hotmail.com
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s